Translate

quinta-feira, maio 23, 2013

OS TRES MACAQUINHOS.



Ainda não descobri porque ligo os três macaquinhos que estão na mídia publicitária do governo federal – soberba mostra do gênio inventivo dessas equipes profissionais que enchem o Brasil de prêmios – a harmonia dos poderes de estado no Amapá.
Talvez porque todos os dias os jornais locais dão noticias da precaríssima situação em que se encontra a saúde publica no Amapá. Só penso nisso!
No estado os governos, federal, estadual e municipais não tem sido competentes para garantir a oferta dos serviços básicos de saúde à população. Quanto a isso não há acréscimos no que diariamente vem dizendo a imprensa: nem a que apoia nem a que se opõe a esses governos.
A crise no setor está na cara e ultimamente também está na pauta das incontáveis audiências publicas que se realizaram e das que estão programadas para acontecer em todo o estado. Resultados positivos disso são uns para agora, 2014 e outros, maioria, para as calendas.
A crise criou duas salvaguardas: audiência pública e Tac. A primeira funciona como que um puxão de orelha no “sistema” e raramente vai além disso., Tac (Termo de Ajuste de Conduta) serve para “enquadrar” o sistema e normalmente termina em “multa” que vai ser paga pelo desavisado contribuinte, especialmente quem já está aporrinhado com a falta de dignidade no atendimento e assistência que busca no sistema publico de saúde, e não encontra.
A nesse quadro me remete os macaquinhos da mídia federal com os gestos de, um cobrir a boca, outro o olho e o outro os ouvidos.
O imaginário me leva as cenas de um possível encontro social, se é que ocorreu, entre o governador, o prefeito da capital, o desembargador presidente do judiciário, a procuradora presidente do ministério publico estadual, o procurador chefe do ministério publico federal e o deputado presidente da assembleia legislativa. Deve ter sido divertido.
O cenário, quem sabe, o da festa de aniversário do governador Camilo  nesse momento em andamento não sei onde em Macapá. O governador tem pouco a comemorar no mandato, aonde vai é vaiado, mas aniversário merece festa suprapartidária. A propósito, parabéns!
Mas, vamos lá. Que papo vai rolar entre eles depois dos discursos educadamente elogiosos, politicamente corretos, coisa de gente civilizada?
Greve dos professores? O desembargador tem ótimas noticias, afinal não há que se discutir a ilegalidade da greve e o peso da multa instituída por cada dia de desobediência: são 100 mil reais. O governador tem muito a agradecer em nome do governo que exerce. Quanto aos demais chefes participantes da rodinha de bate papo, nada a acrescentar que não sejam pequenas questões de ordem.
Petróleo? Bilhões tomados a empréstimo do BNDES? Assunto consensual, quer dizer: quase. O Des. Presidente Dr. Luiz Carlos acabou de publicar na imprensa um ótimo artigo sobre o que sabe “do nosso petróleo”. Bilhão de reais é assunto pacificado., três bilhões é assunto de estado – eles são o estado.
Provavelmente por educação poupou-se o prefeito nada dizendo sobre as dificuldades pelas quais passa Macapá. Mas, pela lógica, falou-se da crise da saúde que assola e assombra estado amapaense. Daí ao tema reeleição do aniversariante é menos que nada.
Coisa na casa do sem jeito ou do jeito do três macaquinhos, que pode ter deixado a turma sem assunto não por causa do direito do cidadão à saúde, mas pela obrigação do estado em prover essa saúde.

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom,
li algumas coisas folhe-ei algumas postagens,
gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha.
Deixo-lhe a minha bênção.
E que haja muita felicidade e saúde em sua vida e em toda a sua casa.
PS. Se desejar seguir o meu blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.